BANCOS FICAM LOTADOS EM NITERÓI DEPOIS DA GREVE

BANCOS REABREM E FICAM LOTADOS

No primeiro dia de funcionamento após a greve que durou 23 dias com quase 90% de agências fechadas, os bancos de Niterói e região registram filas enormes durante a manhã de ontem. Em algumas agências, as filas para atendimento ultrapassaram a porta de entrada. Centenas de clientes aproveitaram para tentar resolver problemas que ficaram pendentes durante a paralisação dos bancários. 
“É um absurdo as pessoas terem que sofrer tantos transtornos para conseguir pagar uma conta. Claro que quando eu saí de casa já imaginava que a situação seria essa, por isso já deixei avisado no trabalho que iria demorar muito”, disse a vendedora, Mariana Rodrigues, de 29 anos. 
As agências do Banco do Brasil, Itaú e Caixa Econômica Federal foram as campeãs em filas no Centro da cidade. Por volta das 11 horas, chegavam a ter um quarteirão de extensão. 
O aposentado José Pinheiro, de 72 anos, chegou ao banco às 8h e aguardou na fila durante duas horas. Ele foi receber a aposentadoria, que estava liberada há 14 dias. 
“Eu não esperava essa fila toda aqui. Não tive prioridade, pois tem muitos aposentados. Vim pegar o dinheiro para pagar as minhas contas que já estão muito atrasadas”, afirmou José. 
Os bancários de Niterói e região aceitaram a proposta oferecida pelos bancos em assembleia na última sexta-feira. A proposta eleva para 8% (aumento real de 1,82%) o índice de reajuste sobre os salários e demais verbas, para 8,5% sobre o piso salarial (ganho real de 2,29%) e 10% sobre o valor fixo da regra básica e sobre o teto da parcela adicional da PLR (Participação nos Lucros e Resultados). Também aumenta de 2% para 2,2% o lucro líquido a ser distribuído linearmente na parcela adicional da PLR e avança em outras reivindicações econômicas e sociais.
A nova proposta aprovada pela categoria ainda inclui três novas cláusulas: proibição de os bancos enviarem SMS aos bancários cobrando resultados, abono-assiduidade de um dia por ano e adesão ao programa de vale-cultura do governo, no valor de R$ 50 por mês.
Segundo o Sindicato dos Bancários, a orientação para que os clientes não enfrentem essas enormes filas, é que quem não tiver pendências urgentes deixe para ir nas agências a partir de quarta-feira, quando a situação deve estar mais amena.