APAGÃO NO BARRETO

Moradores de diversas casas no Barreto ficaram sem energia elétrica por mais de 30 horas e até mesmo um protesto para chamar atenção dos representantes foi cogitado pelos moradores.

Após um estouro em um transformador, residência, comércios e até semáforos da Rua General Castrioto ficaram às escuras desde as 10h do último domingo.
BARRETO ÀS ESCURASOs moradores afirmaram que diversas ligações para a Ampla, concessionária responsável pelo fornecimento de energia, foram feitas e os prazos para conserto foram estendidos a cada telefonema. “Quando liguei no domingo na hora do almoço o prazo de conserto era um e depois que liguei o prazo já era outro. O desencontro de informações aconteceu com todos que ligaram”, comentou o aposentado Antônio Caetano, de 74 anos. Na geladeira, os alimentos ainda não estragaram porque a família está evitando abri-la. “Compramos um galão de água e não abro a geladeira para nada. O banho frio também é muito ruim”, apontou.
Para a dona de casa Regina Correia, de 63 anos, o problema foi ainda maior. Com muitos itens na geladeira e freezer, a opção foi comprar sacos de gelo para resfriar a geladeira e pedir ajuda aos vizinhos que têm luz para congelar garrafas de água. “Perdi vários alimentos como peixe, queijo, carne, feijão e leite. Além dos alimentos, para dormir sem ventilador é muito ruim pois os mosquitos invadem o quarto”, ressaltou. A falta de energia afetou também a comunicação. Seu telefone, que é sem fio, parou de funcionar depois que a bateria descarregou, assim como o celular.
Quando anoitece, a rua, que é tomada por bares, salões de beleza e até fábricas, fica mais perigosa do que de costume. A área tem muito mato e becos que servem de esconderijo. “Com energia eu já tenho medo de andar a noite para chegar em casa e quando desço do ônibus nem olho para trás, vou em disparada para o portão. Sem luz o perigo é em dobro”, comentou uma moradora que preferiu não se identificar.
A interrupção no fornecimento de energia também afetou um sinal em frente ao Colégio Pedro II. O trânsito na região, que já é intenso e complicado, ficou ainda mais perigoso. “Na hora da saída dos alunos é um perigo o semáforo desligado, pois os alunos contam com a boa vontade dos motoristas pararem. Alguns são muito educados, mas outros não respeitam os pedestres”, comentou Antônio Caetano.
A Ampla informou que enviou uma equipe técnica ao local e que um problema no transformador causou a queda no fornecimento de energia. A empresa ainda ressaltou que restabeleceria a luz até a noite de ontem. Já a A NitTrans comunicou que o setor de manutenção semafórico foi notificado e iria consertar o semáforo o mais rápido possível.

Por Raquel Morais   A Tribuna