MESMO PRESOS, BANDIDOS DA FAVELA NOVA BRASILIA RECEBIAM "EMPRÉSTIMOS"

A partir de uma denúncia anônima, encaminhada ao 12º Batalhão (Niterói), policiais militares do Grupamento de Ações Táticas (GAT) constataram que criminosos acusados de envolvimento com o tráfico na comunidade Nova Brasília, na Engenhoca, são beneficiados com parte dos lucros obtidos com a venda de drogas.
Esses recursos, no caso da Nova Brasília, seriam provenientes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) e pagos semanalmente a aliados (ou segundo fontes policiais, a familiares) de presos que cumprem pena em várias unidades prisionais do Rio. 
Essa espécie de ajuda financeira tinha até um responsável pelo controle da arrecadação e listagem dos beneficiados, um menor de 16 anos. Apontado pela polícia como “gerente de plantão”, ele foi apreendido na manhã desta sexta-feira após a denúncia e perseguição pela Avenida Professor João Brasil, junto ao acesso da Nova Brasília. Com o adolescente infrator os policiais apreenderam uma pistola calibre 9 milímetros israelense (municiada), um rádio transmissor e uma lista com a relação de 60 beneficiados com quantias que variavam de R$ 50 a R$ 300, referentes à semana. 
A arrecadação totalizava R$ 5.900, ou possivelmente R$ 23.600 mensais. Policiais explicaram na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), para onde o menor foi conduzido, que ele foi localizado numa residência e ao ser surpreendido pela guarnição tentou fugir, pulando muros de casas vizinhas. A polícia montou um cerco e conseguiu encontrá-lo. Apesar de estar armado, o adolescente, que segundo a PM já teria duas anotações criminais anteriores por tráfico, não ofereceu resistência. 
Com relação à tal “ajuda financeira” de aliados do tráfico, fontes policiais revelaram que em muitos casos o dinheiro era cobrado assim que os criminosos cumpriam a pena. Ou seja, ele teria de repor ao tráfico a quantia que recebeu enquanto cumpria pena e mais, contribuiria para a arrecadação de dinheiro para enviar para aqueles que permaneceriam presos. Esse procedimento realimentaria o “ciclo vicioso” custeado por usuários de drogas. Agentes revelam ainda que o dinheiro enviado para a cadeia também é utilizado para “comprar mordomias”. Policiais lembraram que o criminoso conhecido como Pão com Ovo, apontado como uma das lideranças do CV no estado, continuaria a comandar os pontos de venda de drogas na comunidade Nova Brasília.

Por AtribunaRj