Ministério do Trabalho interdita estaleiro Mauá

ESTALEIRO É INTERDITADO PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO

O Ministério do Trabalho interditou temporariamente o Estaleiro Eisa Petro Um (Mauá), no bairro Ponta D’Areia, na tarde da última segunda-feira. A medida foi tomada durante uma visita do órgão, onde foi constatado que o local por não estava de acordo com as normas de segurança e de saúde do trabalho. Com a interdição, cerca de 3 mil metalúrgicos estão realizando outras atividades.
De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores das Industrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico dos Municípios de Niterói e Itaboraí, as visitas do órgão são constantes em todos os estaleiros da cidade. O sindicato ainda informou que a medida visa uma adequação da empresa às Normas Regulamentadoras (NR) 10, 33 e 34 que tratam sobre a manutenção do local de trabalho. 

Em suma, a NR 10 abrange os trabalhos com eletricidade, a NR 33 abrange a segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados e a NR 34 tem por objetivo garantir a proteção a segurança, saúde e meio ambiente de trabalho. “Apesar de conhecermos as dificuldades que o Estaleiro Eisa Petro Um (Mauá) vem enfrentando, apoiamos integralmente a ação do MTE de interditar a empresa. A atividade dos metalúrgicos já é perigosa quando se cumpre todas as normas, imagina quando elas não são cumpridas. Para se ter uma ideia, a NR 10 que trata sobre energia/eletricidade visa proteger os trabalhadores de ficarem expostos às altas voltagens de eletricidade colocando em risco suas vidas. Essa NR 10 também vinha sendo descumprida pelo estaleiro”, ressaltou Edson Rocha, presidente do sindicato.
O MTE exigiu um relatório por parte do estaleiro onde ficasse relatado todos os pontos problemáticos que foram interditados. O sindicato informou que o documento ficou pronto ontem a tarde e, hoje, fiscais estarão na empresa.
Edson Rocha informou que os trabalhadores estão aproveitando a interdição para realizarem atividades dentro do estaleiro. “Os homens estão fazendo uma grande limpeza, separando sucata de material bom, realizando manutenção de alguns equipamentos e muitos outros pequenos serviços que não são feitos no dia a dia desses homens”, enumerou. Em nota o sindicato informou também que foram recolhidas cerca de uma tonelada de sucata. “Achei essa interdição benéfica para os trabalhadores pois está melhorando, e garantindo, boas condições de trabalho para esses metalúrgicos”, finalizou Edson.


Por Raquel Morais   AtribunaRj