Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo começa neste sábado em todo o país

A Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo começa neste sábado em todo o país. A imunização segue até o dia 28 deste mês em todos os postos de saúde.
No caso da poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, devem ser vacinadas crianças de 6 meses a 5 anos incompletos. Na vacinação contra o sarampo, a faixa etária indicada é de 1 ano a 5 anos incompletos.
Serão distribuídas cerca de dois milhões de doses das vacinas no Estado e a meta é imunizar 820 mil crianças contra as duas doenças, que representam 95% do público-alvo.
A vacinação oral (gotinhas) contra a poliomielite tem como público-alvo crianças de 6 meses a menores de 5 anos, ou seja, 4 anos, 11 meses e 29 dias. Os pequenos, acima de seis meses, que estão com a caderneta de vacinação atrasada terão que tomar a vacina inativa injetável primeiro. Já tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) é injetável e direcionada, durante a campanha, a crianças de 1 a menores de 5 anos. A campanha de vacinação contra a paralisia infantil e o sarampo vai se estender até 28 de novembro. O superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, lembra que neste sábado, será o Dia D e os pais devem levar as cadernetas de vacinação dos filhos.
“As cadernetas de vacinação auxiliam os profissionais de saúde na verificação na necessidade de aplicar outras vacinas, como DTP (difteria, tétano e coqueluche) e a tetravalente (difteria, tétano, coqueluche e Haemophilus Influenzae b – HIB)”, explica Chieppe.
A vacina contra poliomielite não tem contraindicações. No entanto, as crianças com problemas imunológicos e submetidas a transplante de medula óssea devem ser orientadas para a vacinação nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie). O último caso de paralisia infantil foi em 1987, no bairro de Santa Cruz, na capital. Já o último caso de sarampo no estado ocorreu em 2000 e o índice de cobertura vacinal contra a doença é de 95%. 

Poliomielite
O Brasil é considerado livre da pólio desde 1990. Em 1994, recebeu da Organização Pan-americana da Saúde a certificação de área livre de circulação do vírus. A continuidade das campanhas de vacinação é considerada fundamental pelo Ministério da Saúde para evitar a reintrodução da doença no país.
A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave. Na maioria dos casos, a criança, quando infectada, não morre, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso e provocam paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores.
O sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas vermelhas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, por meio de secreções expelidas ao tossir, falar ou respirar. A única forma de prevenção da doença é a vacinação.