Barcas em SG é uma das soluções para o transito em Niterói.

Foto: Arquivo Barreto Online



Depois de mais de 30 anos do Plano Hidroviário que previa a estação de São Gonçalo, o projeto começa a dar seus primeiros passos.
O Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH) está produzindo um estudo de navegabilidade para a implementação das linhas São Gonçalo-Praça XV e Duque de Caxias-Praça XV.
Isso foi acordado na última quarta-feira, durante uma reunião entre o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, e o ministro-chefe da Secretaria de Portos, Edinho Araújo. O estudo ficará pronto até o final do ano.
“Ontem (quarta) estive com o ministro (Edinho Araújo) para tratar das conexões das barcas com São Gonçalo e Duque de Caxias. O INPH irá elaborar esse estudo que vai mostrar quais pontos precisarão ser desassoreados e onde são os pontos ideais para receber as estações. Demos o primeiro passo. Entendemos a necessidade dessas novas linhas e iremos buscar a parceria com o Governo Federal para tirar esse projeto do papel”, explicou o Osório, lembrando que o estudo será entregue no período de 60 a 90 dias.
A partir desse levantamento, o Governo Estadual irá apresentá-lo à CCR Barcas, atual concessionária que administra o serviço hidroviário. Caso ela não possua interesse, será aberta uma licitação para essas novas linhas, informou o secretário de Transporte. Questionada sobre o interesse a CCR Barcas se ateve a dizer que cumpre o contrato de concessão e tem como compromisso prestar um serviço de qualidade aos usuários do transporte aquaviário.
Recentemente a Firjan divulgou um estudo que mostra que a criação de 14 novas linhas de barcas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro seria a solução para desafogar o trânsito no Grande Rio. Há dois anos - também realizado pela Firjan – um outro levantamento mostrou que os congestionamentos na Região Metropolitana chegam a 130 quilômetros por dia, o que equivale a dez pontes Rio-Niterói completamente paradas. A Firjan deu a receita que seria capaz de reduzir a quase um terço os engarrafamentos. Se todos os projetos fossem implementados, essas rotas teriam potencial para absorver 272,4 mil viagens por dia e tirar 100,9 mil veículos das ruas. A extensão diária dos congestionamentos diminuiria 84,1 km.
Dentro da Baia de Guanabara, que hoje conta com apenas quatro rotas de barcas, a Firjan propõe 11 novas ligações, sendo cinco conectam o Rio ao Leste Fluminense: Praça 15-Gradim (São Gonçalo), Botafogo-Praça Arariboia (Niterói), Botafogo-Charitas (Niterói), Praça 15-Itaipu (Niterói) e Cocotá (Ilha do Governador)-Gradim.


Por Pedro Conforte     ATribunaRj