Apreensão explosiva na Boavista

APREENSÃO EXPLOSIVA EM NITERÓI
Foto: Divulgação
Militares do Exército e agentes da 76ª DP (Centro/Niterói), com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), oficialmente passaram a investigar, na manhã de ontem, quem estaria envolvido no armazenamento de grande quantidade de explosivos,
apreendidos no último domingo por policiais militares do 12º BPM (Niterói), na comunidade do Boa Vista, no bairro São Lourenço.
O material encontrado dentro de uma casa abandonada – com grande poder de destruição - surpreendeu e estarreceu até mesmo os policiais que estavam na ocorrência. O principal objetivo da polícia agora passou a ser o levantamento de quem estaria por trás do armazenamento dos explosivos em Niterói e para qual finalidade seria utilizado. Vale lembrar que ocorrências de roubo de caixas eletrônicos, com uso de explosivos, têm sido registradas em São Paulo e no Sul do país.
Depois de um informe anônimo, policiais foram até a comunidade - onde o tráfico seria ligado à facção criminosa Amigo dos Amigos (ADA) – e numa  casa abandonada encontraram 197 bisnagas de dinamite em emulsão (gel); um cordel detonante de aproximadamente sete metros; 76 tubos de choque sem espoleta (detonador); um rolo de 300 metros de tubo de choque com uma espoleta; e 10 tubos de choque com espoleta. Não houve confronto ou prisões efetuadas na comunidade, e a ocorrência passou a ser investigada pela 76ª DP, onde foi registrada. 
Na manhã de ontem, o titular da 76ª DP, delegado Gláucio Paz, afirmou que não há indícios de que a carga de explosivos poderia ser utilizada para detonar caixas eletrônicos em Niterói ou São Gonçalo, como chegou a se supor. 
“Me causou surpresa a quantidade de explosivos apreendida pela PM. Já conhecemos a vinculação que traficantes com assaltantes. Existe a versão de que eles estariam supostamente guardando os explosivos para outro grupo de criminosos, mas não haveria a possibilidade deles usarem, por exemplo, para roubarem caixas eletrônicos em Niterói, devido ao tipo de vigilância que é feita na cidade. Os explosivos poderiam ser usados em outras cidades, só me lembro de um caso ocorrido em Saquarema (na Região dos Lagos). São hipóteses e vamos checar”, explicou o delegado, acrescentando que militares do Exército estiveram, na manhã de ontem, na DP e obtiveram cópias dos procedimentos registrados na distrital para averiguarem qual seria a origem dos explosivos, já que, inicialmente, não haveria registros deste tipo de roubo na região.
“Queremos saber quem fabricou, quem vendeu e como foi parara nas mãos dos criminosos. Eles vão ver a presença da polícia mais cedo ou mais tarde”, adiantou o delegado.
Gláucio Paz também revelou que os explosivos apreendidos estão sendo periciados na Core. “Quase 100% de possibilidade de que traficantes do Boa Vista teriam autorizado a guarda dos explosivos para alguém (possivelmente para uma quadrilha especializada). Para utilizarem aquele kit tem que haver conhecimento. O explosivo estava guardado no local há pouco tempo. Perto daquela casa a polícia já havia encontrado carros desmontados. Não havia nada lá. A casa fica no alto da comunidade. Essa investigação que começou hoje (ontem) vai passar até mesmo por criminosos que já estão presos”, afirmou o delegado.

Por Augusto Aguiar       AtribunaRj