Aumento da cerveja preocupa donos de bares na zona norte de Niterói


O gole da cerveja vai descer ainda mais amargo para o consumidor. O setor cervejeiro começou a anunciar nos últimos dias um novo aumento do preço da “loura gelada”, que vai ficar 11% mais cara em breve.
Em Niterói, o preço médio de uma garrafa de 600 ml é de R$ 8. Os comerciantes do município já preveem mais queda nas vendas da bebida, que já registraram redução de 10% após o aumento anterior, de 15%, há três meses. 
“Soube na semana passada que vai aumentar. Todo o setor está falando isso. Acho um absurdo. Por causa do aumento dos impostos, a indústria irá repassar para o preço da caixa de cerveja. O movimento, que já está horrível por conta da crise econômica, vai cair ainda mais. Não dá para reduzirmos a nossa margem de lucro para manter a clientela”, reclamou Fábio Santos, de 43 anos, gerente de um bar , no Largo São Jorge na Engenhoca, um dos principais redutos boêmios do bairro. 
“Outro aumento? Já houve um em agosto, de 15%. Assim não vai ter como a gente trabalhar. Tivemos uma queda de 10% nas vendas por conta disso”, lembrou Francisco Souza , 55, gerente de um bar tambem no bairro da Engenhoca. 
Na mesma área, outro bar vende cerveja com preço variando entre R$ 6 e R$ 7 a garrafa de 600 ml. “Todas as marcas eu vendia a R$ 6 a garrafa. Tive que aumentar. Para não cair o movimento, vou pagar a mais pela caixa, mas lucrar menos. 
Em maio deste ano, o Senado aprovou por votação simbólica, a Medida Provisória 668, que aumentou impostos sobre mercadorias importadas, como cerveja, cosméticos, e produtos farmacêuticos, de 1,65% para 2,1% a alíquota do Pis/Cofins para a entrada de bens importados no Brasil. No caso da Cofins, a alíquota passou de 7,6% para 9,65%. A medida fez parte do pacote de ajuste fiscal do governo federal.


Por Anderson Carvalho      AtribunaRj