IFDM aponta Niterói como terceira colocada entre as 92 cidades do estado.

Resultado de imagem para Niterói

Divulgado ontem, o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), mostrou que o desenvolvimento socioeconômico do Brasil está comprometido por conta do cenário de crise econômica. O ano base da pesquisa é 2013 e nesta edição a nota brasileira, composta pelos indicadores de Educação, Saúde, Emprego e Renda, ficou em 0,7441 ponto, o que representa um aumento de 0,2% na comparação com o ano anterior. À frente da média nacional e da cidade do Rio de Janeiro está Niterói com 0,8302, ocupando a terceira posição entre os 92 municípios do Estado.
De acordo com a Firjan, em 2015, o indicador de Emprego e Renda poderá atingir 0,5204 ponto – menor patamar da série – já que o país deve perder mais de um milhão de postos de trabalho formais e a renda deve avançar menos que a inflação, corroendo o poder de compra do trabalhador. Nos dados divulgados ontem, a estagnação foi por conta do desempenho negativo do IFDM Emprego e Renda. O indicador recuou 4,3% na comparação com 2012 e atingiu 0,7023 ponto. Neste quesito (Emprego e Renda), Niterói ficou com 0,7961. Já no indicador Educação a cidade ficou com 0,8018. O maior número alcançado por Niterói foi em Saúde – se aproximando do 0,9 – com 0,8977.
O índice varia de 0 a 1 ponto para classificar o nível de cada cidade em quatro categorias: desenvolvimento baixo (de 0 a 0,4), regular (0,4001 a 0,6), moderado (de 0,6001 a 0,8) e alto (0,8001 a 1). A Firjan avaliou 5.517 municípios, que abrigam 99,8% da população. No ranking nacional, Niterói ocupa a 192º colocação. No ranking do Estado, Niterói ocupa a melhor posicional do Leste Fluminense, enquanto Itaboraí está na 23ª posição (0,7648), Maricá na 37ª (0,7306) e com o pior desempenho da região, São Gonçalo na 75ª colocação (0,6676).

Por Pedro Conforte         AtribunaRj